Importância Da Independência Do Auditor

O objetivo principal de uma auditoria independente é fornecer aos acionistas da empresa uma opinião especializada e independente sobre se as contas anuais da empresa refletem uma visão verdadeira e justa da posição financeira da empresa. A independência é o principal meio pelo qual um auditor demonstra que ele pode realizar sua tarefa de forma objetiva.

 

O auditor deve ser independente da empresa cliente, de modo que a opinião da auditoria não seja influenciada por qualquer relação entre eles. Espera-se que o auditor dê uma opinião profissional imparcial e honesta sobre as demonstrações financeiras aos acionistas. Pode-se argumentar que, a menos que sejam implementadas medidas adequadas de governança corporativa, uma auditoria independente pode chegar a pareceres e julgamentos de auditoria fortemente influenciados pelo desejo de manter boas relações com a empresa cliente. Se isso acontecer, os auditores não podem mais ser ditos independentes e os acionistas não podem confiar em sua opinião.

 

As empresas de contabilidade às vezes praticam taxas de auditoria definidas em valores menores do que a taxa de mercado e compensam o déficit, fornecendo serviços que não sejam de auditoria independente, como consultoria de gestão e assessoria fiscal. Como resultado, algumas empresas de auditoria também têm interesses comerciais para proteger. Isso suscita preocupações de que os interesses do auditor para proteger os acionistas de uma empresa e seus interesses comerciais podem entrar em conflito entre si.


A profissão de auditoria independente reconheceu as seguintes ameaças à independência do auditor, muitas das quais estão ligadas à prestação de serviços que não sejam de auditoria:

 

Ameaça de interesse próprio: quando um auditor é financeiramente dependente do cliente de auditoria ou quando um auditor ou alguém intimamente associado a ele tem interesse financeiro ou de outra natureza no cliente de auditoria. O auditor também depende da gestão da empresa para garantir a sua reeleição como auditor.

 

Ameaça de familiaridade: a relação entre o auditor e o cliente é de longa data ou de outra forma é tão familiar que o auditor se envolve em aconselhar o cliente ou atuar em função de gerenciamento.

 

Perigo de auto-avaliação: é requerido um julgamento do auditor que exige que o trabalho anterior da empresa (seja auditado ou não auditado) seja questionado ou reavaliado.

 

A ameaça de confiança: o auditor torna-se muito confiante de diretores e gerentes, impedindo assim um teste adequado de informações de gerenciamento e representações.

 

A ameaça de intimidação: o auditor é intimidado por pressões reais ou potenciais do cliente ou outra parte.

 

A ameaça de defesa: o auditor se envolve na promoção ou defesa dos interesses do cliente.

 

A necessidade de independência surge porque, em muitos casos, usuários de demonstrações financeiras e outros terceiros não possuem informações ou conhecimentos suficientes para entender o que está contido nas contas anuais de uma empresa. Assim, eles dependem da avaliação da auditoria independente. A confiança pública nos mercados financeiros e a condução de entidades de interesse público dependem em parte da credibilidade dos pareceres e relatórios dos auditores em relação à auditoria financeira.

 

Entre em contato com a TATICCA Auditores Independentes para obter mais informações, pelo www.taticca.com.br ou e-mail taticca@taticca.com.br ou pelo telefone (11) 30623000 e saiba mais. Nossa empresa conta com profissionais com ampla experiência no mercado e possui metodologias certificadas para a realização das atividades.